Segunda-feira, 12 de Março de 2007

Levas-te a minha vida

 


Levaste a minha vida
Tornaste-te um momento
Partiste a despedida
Foi levada com o vento
Sentias tudo o que eu sentia,
Sabias tudo o que eu queria
Fingis-te ser tudo ilusão
Afinal não te conhecia
Pensava ser algo para ti
Chorando eu já decidi
Por mais que custe hei-de dizer
Eu já te esqueci

Odeio-te pelo que és
O rascunho do passado
Mas amo-te pelo que foste
Alguém que será bem julgado
Fecho os olhos
Vejo o teu olhar
Sinto o teu corpo
Com o meu a queimar
Oiço baixinho quero-te para mim
Acordo
Já não estás aqui
Tu não és nada
Não vales nada
Nada
Não passas de um alguém
Levas-te a minha vida
Uma carta escrita
Uma fotografia perdida

Porque é que não me dás, a pessoa certa
Porque é que só dou amor, a quem não presta
Fizeste de mim poeta do escuro
E foi no escuro que fiz esta letra
Na folha branca
Lágrima mancha
A tinta preta
Ficou cinzenta
Foi tanta dor
Não vale a pena
Hoje tens uma alma pequena

Porque é que não me dás, a pessoa certa
Porque é que só dou amor, a quem não presta
Fizeste de mim poeta do escuro
E foi no escuro que fiz esta letra
Na folha branca
Lágrima mancha
A tinta preta
Ficou cinzenta
Foi tanta dor
Não vale a pena
Hoje tens uma alma pequena

Olho para o espelho
pergunto se sou eu
É que quando olho para o espelho
Vejo, tudo morreu
Porque quando olho para o espelho
Vejo que o reflexo é meu
E já nem olho para trás
Vejo que tudo se perdeu
Não sinto a tua falta
Não sinto o teu olhar
Já nem sinto amor que me fez sonhar
Já nem sinto amor que me fez sonhar
Já nem sinto o amor que me fez acreditar

São frases numa melodia
Triste sentimento, nem sabe bem o que sinto
Será que te desprezo?
Será que ignoro?
se deus abafa?
É porque choro
Quero um novo mundo
Algo mas profundo
Chega de momentos
Chega de segundos
Uma cara nova
alma sem mentira
Tudo o que eu quero é uma nova vida
Uma nova vida
Uma nova vida

Porque é que não me dás, a pessoa certa
Porque é que só dou amor, a quem não presta
Fizeste de mim poeta do escuro
E foi no escuro que fiz esta letra
Na folha branca
Lágrima mancha
A tinta preta
Ficou cinzenta
Foi tanta dor
Não vale a pena
Hoje tens uma alma pequena

Porque é que não me dás, a pessoa certa
Porque é que só dou amor, a quem não presta
Fizeste de mim poeta do escuro
E foi no escuro que fiz esta letra
Na folha branca
Lágrima mancha
A tinta preta
Ficou cinzenta
Foi tanta dor
Não vale a pena
Hoje tens uma alma pequena.

Autor: Desconhecido

publicado por kanuka às 21:28
link do post | comentar | favorito
3 comentários:
De phiwuipa a 12 de Março de 2007 às 23:04
Li com muita atenção e... o "próprio" não só questiona como responde logo a seguir ou depois de algumas frases. Não sei até que ponto o que possa dizer acrescentará ou diga algo que aqui não tenha sido mencionado.

*Beijinhos e... só tenho de "descobrir" como coloco os awards, acredite que no google não é nada fácil*


De sonia a 13 de Março de 2007 às 09:01
Foi a primeira vez que te visitei. Fiquei fascinada... esse texto ta lindo como todos os outros...
Parabens e continua

Beijos


De SaNdRiT@ a 13 de Março de 2007 às 21:29
Esta musica é tudo o k ja senti... tudo mesmo... penso k seja uma musica... de qualquer maneira esta fabulastica!
bjo*


Comentar post

.mais sobre mim

.tags

. todas as tags

.arquivos

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

.tags

. todas as tags

.posts recentes

. Oi! =)

. Nem akredito nisto

. ?????????????????Porquê o...

. sem amor...

. 1º mergulho de verão

. Nomeação

. Nem acredito

. Saudade

. mais uma brincadeira..ehe...

. Mano a caminho

.arquivos

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

blogs SAPO

.subscrever feeds